19 maio

Movimento Divabética promove Exposição Mulheres & Diabetes

Exposição tem o objetivo de conscientizar e inspirar mulheres com diabetes a se cuidarem no mês da Luta pela Saúde da Mulher e da Mortalidade Materna 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 199 milhões de mulheres (8%) vivem com diabetes no mundo, e 8,5 milhões, ou seja, 7,8% das mulheres brasileiras, de acordo com a pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada em 2020 pelo Ministério da Saúde.

Outro estudo publicado pela OMS mostra que as doenças cardiovasculares acometem mais de 23 mil mulheres por dia no mundo. Entre as brasileiras, principalmente acima dos 40 anos, as cardiopatias chegam a representar 30% das causas de morte*. Sendo que, pessoas com diabetes tipo 2 possuem o risco 2 a 3 vezes maior de desenvolver doença cardiovascular.**

Um levantamento feito pelo Ministério da Saúde estima que um em cada seis nascimentos ocorra em mulheres com alguma forma de hiperglicemia durante a gestação. *** Sem planejamento preconcepção, o diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2 resultam em uma mortalidade e morbidade materna e infantil significativamente maiores.

No mês em que são comemoradas a Redução da Mortalidade Materna e a Luta pela Saúde da Mulher, datas que integram o 5º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (ODM), da Organização das Nações Unidas (ONU), o Movimento Divabética, criado com o objetivo de conscientizar e elevar o autocuidado e autoestima de pessoas com diabetes, realizará a uma Exposição de fotos Mulheres & Diabetes na Estação Tatuapé do Metrô, no espaço Cultural Nível B – Mezanino, em São Paulo, a partir do dia 05 de maio.

Movimento Divabética

Fabiana Couto, Fundadora do Movimento Divabética, empresária e psicanalista, que convive com o diabetes desde os 13 anos de idade, diz ”A iniciativa tem o intuito de sensibilizar a população brasileira trazendo histórias reais e exemplos de superação de mulheres com diabetes, bem como educar e conscientizar sobre os riscos da doença quando mal controlada, promovendo maior qualidade de vida”. 

Para isso, a Exposição terá fotos e depoimentos produzidos em um ensaio fotográfico que aconteceu ano passado antes da pandemia iniciar, e reunirá as histórias de 13 mulheres com a condição que superaram os desafios da doença. A Campanha Mulheres & Diabetes incluirá uma exposição no formato online e que poderá ser encontrado no site https://mulheresediabetes.com.br/, para alcançar o público nesse momento de isolamento social. Este também terá informações sobre o autocuidado, que ajudarão a controlar melhor o diabetes.

 

Entre as histórias que serão relatadas na exposição está a de Dra. Karla Melo, Doutora em Endocrinologia, coordenadora do Departamento de Saúde Pública e Advocacy da Sociedade Brasileira de Diabetes e com diabetes tipo 1 desde a infância, “a saúde feminina precisa de um cuidado especial devido às particularidades de cada período específico da vida da mulher como: adolescência, fase fértil e fases do ciclo menstrual, gestação e pós-menopausa. Estas fases têm características hormonais, que impactam no controle glicêmico de maneira diferente. Entender a ação da medicação no seu organismo em cada uma dessas fases é fundamental para uma qualidade de vida melhor e para um bom controle do diabetes.”

Outra história é de Kath Paloma, pedagoga, 34 anos, que tem diabetes tipo 1 há 14, antes de ter seu filho Davi, teve uma primeira gestação interrompida “Nunca tinha sonhado em ser mãe e engravidei sem planejamento. Estava com a glicemia alta já há alguns meses e acabei tendo um aborto. Após o que aconteceu, gostei da experiência de engravidar e decidi tentar novamente com todo o planejamento. Em poucos meses engravidei, porém mesmo tendo todo o cuidado e uma equipe multidisciplinar, tive pré-eclâmpsia, e o Davi nasceu maior do que deveria, e teve cardiopatia. Mesmo com todos estes desafios da gravidez com diabetes, consegui, com informação e apoio, contornar todos eles. Valeu muito a pena ser mãe do Davi e somos uma família muito feliz”.    

“O objetivo da exposição, além de levar conscientização e a educação às pessoas, é também romper com qualquer tipo de estigma ainda relacionado ao diabetes. Por meio da exposição, queremos que as pessoas se amem e aceitem a condição, e percebam que o diabetes bem cuidado não limita, e pode promover uma qualidade de vida ainda maior. Queremos que todas as mulheres se empoderem para seu autocuidado e, sejam saudáveis e felizes com a condição”, explica Fabiana Couto.

As iniciativas têm o apoio do Metrô de São Paulo e das empresas Medtronic e Novo Nordisk.

Exposição de Fotos:

Período: Até 6 de junho 2021

Local: Online Website www.mulheresediabetes.com.br, Físico: Estação Tatuapé do Metrô, no espaço Cultural Nível B – Mezanino

Endereço: R. Melo Freire – Tatuapé, São Paulo

 

Sobre o Movimento Divabética

O Movimento Divabética foi criado em 2017, com o objetivo de reforçar a autoestima e autoconfiança de pessoas com diabetes, apoiando-as e empoderando-as para que conquistem mais aceitação da condição e autocuidado, evitando complicações e vivendo uma vida mais plena e feliz.