07 maio

Gestação: futuras mamães precisam ficar atentas ao pré-natal odontológico

Ao saber de uma gravidez, surge um misto entre felicidade e preocupações entre as futuras mamães. Em alguns casos, susto e medo. Em meio às sensações da novidade estão os cuidados com a saúde, mas poucas gestantes se atentam à importância do pré-natal odontológico. Isso porque, além das consultas ao ginecologista/obstetra, elas precisam visitar um dentista para cuidar da saúde bucal.

De acordo com o coordenador do curso de Odontologia da Faculdade Pitágoras, Gabriel Ponte de Freitas Campos, há vários motivos para as grávidas irem ao dentista, entre eles a necessidade de prevenção à inflamação da gengiva, chamada gengivite. O professor explica que as alterações hormonais podem causar ou agravar essa inflamação, principalmente no primeiro trimestre gestacional.

Pré Natal Odontológico

Essas alterações também podem causar mudança no paladar, enjoos, vômitos. “Todos esses fatores deixam o pH bucal mais ácido, podendo levar à hipersensibilidade nos dentes e favorecer o surgimento de doença cárie”, diz.

Gabriel lembra que o período gestacional é marcado por profundas alterações fisiológicas e psicológicas, o que faz com que muitas mulheres tenham muitas dúvidas, mas muitas vezes – até por questões culturais – evitam procurar um dentista. “As visitas ao dentista são importantes para as profilaxias e orientações tanto para a mamães quanto para os bebês”, enfatiza.

Ele diz que o momento ideal de procurar o profissional é a partir do início da gestação sendo o segundo trimestre gestacional, o período mais seguro em que o especialista poderá fazer todos os procedimentos odontológicos de maneira segura para a gestante e para o bebê.

Segundo o coordenador da Pitágoras, os riscos de a gestante não fazer um pré-natal odontológico é o surgimento de uma infecção ou dor, que aumentam o hormônio do estresse e, consequentemente, pode levar a gestante a um parto prematuro. “Se chegar neste estágio, os riscos à saúde de mãe e bebê aumentam”.

O dentista ressalta que durante a gravidez pode ser feito qualquer tipo de tratamento odontológico, dando ênfase ao alívio de situações emergências, se for o caso. Após o nascimento, as orientações são de como prevenir doenças bucais no bebê.

Gabriel Ponte de Freitas CamposGraduado em Odontologia (Universidade de Itaúna – 2012); Especialista em Ortodontia (Uningá – 2017); Mestre em Odontologia – Área de concentração: Clínicas Odontológicas (PUC Minas – 2017). Tem experiência em Odontologia, atuando principalmente na área de Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares. Professor titular e, atualmente, Coordenador do curso de graduação em Odontologia da Faculdade Pitágoras – Unidade Betim.