Categoria: Gestantes

Como aliviar as dores nas costas durante a gestação

Como aliviar as dores nas costas durante a gestação

Fisioterapia manual e pilates são os grandes aliados das futuras mamães antes, durante e após o nascimento do bebê

Diversos são os fatores que causam dores nas costas das futuras mamães, mas o principal deles se deve as mudanças estruturais internas que acontece no momento da gestação. Com o desenvolvimento do bebê, o útero aumenta de tamanho e com isso, vai comprimindo e realocando outros órgãos e músculos da região abdominal, alterando automaticamente o centro de gravidade do corpo da mulher que, automaticamente, passa a forçar os nervos da coluna vertebral.

Tão comum, quanto o crescimento da barriga, as dores nas costas (mais conhecidas como lombalgia) atingem oito, em cada dez mulheres grávidas. “Com a perda do equilíbrio, também comum nessa fase, é natural que a mulher comece a envergar a coluna para sustentar o peso, e ao contrário do que elas acreditam, esse movimento contribui para a instalação das dores. Por isso, minha dica é tentar manter a saúde da coluna, cuidando de orientações posturais durante as atividades do dia a dia realizando exercícios para mobilidade e ativação dessa musculatura.” – pontua o fisioterapeuta e diretor clínico do ITC vertebral unidade de Guarulhos, Bernardo Sampaio.

Como evitar dor nas costas na gestação

As dores costumam aparecer no segundo trimestre ficando ainda mais intensas, ao fim da gestação, mas há ainda aquelas que começam a sentir o incômodo desde o começo. Por isso, o ideal é ajudar nessa preparação corporal através de uma rotina de exercícios de fortalecimento e alongamento. O pilates tem sido uma atividade muito praticada pelas gestantes, prescrita inclusive por muitos obstetras.

Com o acompanhamento de um profissional especializado em gestantes, os exercícios serão focados no fortalecimento da coluna (impedindo que as dores se instalem); nos membros superiores (pensando no pós-parto e no quanto os bebês exigem dos braços das mamães) e em toda a musculatura abdominal (o que ajuda na hora do parto e evita a diástase abdominal).

“Para as dores na lombar, podem ser feitos muitos exercícios de mobilidade da coluna, e fortalecimento da musculatura estabilizadora, que irá reduzir esse desconforto. Assim como exercícios para fortalecer o assoalho pélvico, para preparar a mamãe para o parto e pós-parto! O inchaço nas pernas ao fim da gravidez é muito normal, e neste quesito, os exercícios de pilates também atuam diretamente” – garante a fisioterapeuta com formação em pilates solo e aparelhos para patologias da coluna e estabilização segmentar vertebral e diretora do Instituto Pilates Guarulhos, Ana Luisa Marçal.

Ana Luisa ressalta que as mulheres que já praticam pilates podem continuar a atividade normalmente, enquanto as novatas na modalidade precisam aguardar o fim do primeiro trimestre e solicitar liberação médica para iniciar a prática com segurança.

Mas, enquanto isso, nada de ficar parada. Caminhadas leves ao ar livre são excelentes, já que as dores e incômodos que a barriga causam não atrapalham só na hora de andar, mas em todos os outros movimentos e se o corpo não for trabalhado corretamente para aliviar esses desconfortos, a gestante não consegue curtir sua gestação.

Além de se manter em movimento, o fisioterapeuta dá uma dica valiosa de alongamento que pode ser feito a qualquer hora do dia: deite-se com a barriga para cima, com as pernas dobradas e vá segurando uma perna de cada vez enquanto posiciona as mãos na parte de trás das coxas. Segure a perna por um minuto nesta posição e inverta o lado.

De uma maneira geral, Bernardo Sampaio ressalta que exercícios de posicionamento de barriga para cima com as pernas fletidas podem trazer um alívio momentâneo, assim como o exercício em quatro apoios. O alongamento da cadeia posterior em muitos casos não é indicado, podendo inclusive piorar o quadro de dor. “Desta maneira é importante pontuar que o acompanhamento de um especialista é de fundamental importância para a prescrição correta, bem como o melhor exercício” – conclui.

Saiba mais sobre os especialistas:

Ana Luisa Marçal - fisioterapeutaAna Luisa Marçal: é fisioterapeuta (Crefito: 127346-F) e atua como Diretora Clínica da Unidade de Guarulhos, do Instituto Pilates. A profissional possui formação em pilates solo e aparelhos para patologias da coluna e estabilização segmentar vertebral; além de especialização em fisioterapia Neurofuncional pela Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Saiba mais em: www.institutopilates.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

Bernardo Sampaio - Fisioterapeuta

Bernardo Sampaio: Fisioterapeuta pela PUC-Campinas (Crefito: 125.811-F), diretor clínico do ITC Vertebral e do Instituto Trata, unidades de Guarulhos, Bernardo Sampaio é também professor do curso de pós-graduação em fisioterapia traumato-ortopédica do Instituto Imparare e do curso de fisioterapia do Centro Universitário ENIAC (Guarulhos) e também leciona como convidado nos cursos de pós-graduação na Santa Casa de São Paulo. Possui experiência em fisioterapia ortopédica, traumatologia e esporte; e especialização em fisioterapia músculo esquelética, aprimoramento em membro superior e oncologia ortopédica pela Santa Casa de São Paulo. Mestrando em ciências da saúde pela faculdade de ciências médicas da santa casa de são Paulo. Saiba mais em: www.institutotrata.com.br  e www.itcvertebral.com.br

Como amamentar sem dor e desconforto?

Como amamentar sem dor e desconforto?

Especialista dá algumas orientações para ajudar as mamães neste processo

Este mês é marcado pela campanha nacional “Agosto Dourado”, que tem como objetivo trazer ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. A amamentação é um momento de interação entre mãe e filho, além de trazer vários benefícios à saúde de ambos. No entanto, às vezes esse processo pode trazer dor e desconforto para as mamães.

A coordenadora do curso de pós-graduação em enfermagem obstétrica e docente no curso de graduação em enfermagem da Faculdade Pitágoras, Elaine Cristina Faria, dá algumas orientações. “Os cuidados com os seios devem começar no desde a descoberta da gravidez, dando uma atenção maior ao mamilo ou bico da mama, por ser sensível e por geralmente dar pequenas rachaduras durante a amamentação”, pontua.

Agosto Dourado, Dicas para amamentação

A especialista explica que alguns métodos contribuem para um aleitamento tranquilo e sem dor. “A higienização é fundamental. A cada mamada o seio deve ser seco para que não haja umidade e, consequentemente, fissuras. Outra dica é tomar sol todos os dias na mama, antes das 10h, assim a vitamina D prepara e fortalece a região”, aconselha.

Com todos esses cuidados, a amamentação se torna ainda mais prazerosa neste vínculo de amor entre mãe e filho. Além disso, o bebê pode usufruir dos benefícios para a saúde. “O leite materno contém tudo o que o bebê precisa, ajuda na digestão e auxilia na cólica, reduz as chances de desenvolver alergias, estimula e fortalece a arcada e melhora a imunidade”, destaca.

Por meio do leite materno, o bebê recebe os anticorpos da mãe que o protegem contra doenças como diarreia e infecções, principalmente as respiratórias. O risco de asma, diabetes e obesidade é menor em crianças amamentadas, mesmo depois que elas param de mamar.

Confira algumas dicas para deixar esse momento ainda mais confortável e especial:

1. Atenção:

Amamentar não deve doer. A dor é um sinal de pega incorreta. Mude de posição e lembre-se de sempre trazer o bebê até o seio, nunca o contrário.

2. Use sutiãs adequados:

Para evitar a flacidez, o sutiã utilizado neste período deve ser mais reforçado e de tamanho compatível com os seios. Logo no início da gestação, a mulher deve optar por um modelo de alças largas, sem bojos, e que ofereça boa sustentação, pois os seios vão ficando bem maiores que o normal, sendo necessário algo mais confortável e que não incomode. Também é indicado o uso de conchas de silicone sob o sutiã, para evitar o atrito.

3. Massagens:

É recomendado fazer massagens diariamente nos seios, preparando-os para a amamentação e ajudando os mamilos a ficarem mais salientes, favorecendo a sucção de leite pelo bebê e evitando o surgimento das lesões. Esse procedimento deve ser feito especialmente pelas mulheres que têm os bicos planos ou invertidos, mas é recomendado para todas as gestantes. Para isso é preciso segurar o seio com as duas mãos, fazendo pressão até a ponta, hora com as mãos nas laterais da mama, hora com uma mão por cima e outra por baixo, repetindo o movimento várias vezes. Nos casos em que os mamilos demoram a ficar mais salientes, é necessário que se faça uma massagem segurando o bico com os dedos indicador e polegar, rodando-os de um lado para o outro. Vale ainda ressaltar que mesmo com mamilos invertidos há a possibilidade de amamentar.

4. Observe:

Tente observar a necessidade do seu filho e faça intervalos de maneira que ele não esteja com muita fome na hora de alimentá-lo, pois o bebê tende a estar mais estressado e pode não mamar corretamente. Se você costuma acordá-lo e trocar a fralda antes de amamentar, mas ele sempre chora, experimente oferecer o peito primeiro e só trocá-lo depois, por exemplo.

5. Escute:

Se você ouvir qualquer barulho na boca do bebê durante a mamada, é porque algo está errado. Estalos na língua ou som semelhante a um beijo não devem fazer parte desse momento, apenas ruídos da sucção e deglutição. Caso escute qualquer coisa além disso, tire o bebê do seio e recomece. Se persistir, vale tentar mudar a posição.

Enfermeira Elaine Cristina Faria*Sobre a enfermeira Elaine Cristina Faria

Possui Doutorado em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (2017) mestrado em Cirurgia Plástica pela Universidade Federal de São Paulo (2006), especialização em Docência do Ensino Superior e Saúde coletiva e graduação em Enfermagem pela Universidade do Vale do Sapucaí (1995) . Tem experiência em docência na área de Ciências da Saúde nos cursos de enfermagem, psicologia e odontologia, com ênfase em Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: Saúde da Mulher e da criança e do Idoso, Saúde da Família, Saúde do Trabalhador, qualidade de vida e capacidade para o trabalho. Membro do NDE e do colegiado da Faculdade Pitágoras de Poços de Caldas, Docente responsável pela disciplina de metodologia da pesquisa no curso de Pós-graduação em Enfermagem Obstétrica.

Gestação: futuras mamães precisam ficar atentas ao pré-natal odontológico

Gestação: futuras mamães precisam ficar atentas ao pré-natal odontológico

Ao saber de uma gravidez, surge um misto entre felicidade e preocupações entre as futuras mamães. Em alguns casos, susto e medo. Em meio às sensações da novidade estão os cuidados com a saúde, mas poucas gestantes se atentam à importância do pré-natal odontológico. Isso porque, além das consultas ao ginecologista/obstetra, elas precisam visitar um dentista para cuidar da saúde bucal.

De acordo com o coordenador do curso de Odontologia da Faculdade Pitágoras, Gabriel Ponte de Freitas Campos, há vários motivos para as grávidas irem ao dentista, entre eles a necessidade de prevenção à inflamação da gengiva, chamada gengivite. O professor explica que as alterações hormonais podem causar ou agravar essa inflamação, principalmente no primeiro trimestre gestacional.

Pré Natal Odontológico

Essas alterações também podem causar mudança no paladar, enjoos, vômitos. “Todos esses fatores deixam o pH bucal mais ácido, podendo levar à hipersensibilidade nos dentes e favorecer o surgimento de doença cárie”, diz.

Gabriel lembra que o período gestacional é marcado por profundas alterações fisiológicas e psicológicas, o que faz com que muitas mulheres tenham muitas dúvidas, mas muitas vezes – até por questões culturais – evitam procurar um dentista. “As visitas ao dentista são importantes para as profilaxias e orientações tanto para a mamães quanto para os bebês”, enfatiza.

Ele diz que o momento ideal de procurar o profissional é a partir do início da gestação sendo o segundo trimestre gestacional, o período mais seguro em que o especialista poderá fazer todos os procedimentos odontológicos de maneira segura para a gestante e para o bebê.

Segundo o coordenador da Pitágoras, os riscos de a gestante não fazer um pré-natal odontológico é o surgimento de uma infecção ou dor, que aumentam o hormônio do estresse e, consequentemente, pode levar a gestante a um parto prematuro. “Se chegar neste estágio, os riscos à saúde de mãe e bebê aumentam”.

O dentista ressalta que durante a gravidez pode ser feito qualquer tipo de tratamento odontológico, dando ênfase ao alívio de situações emergências, se for o caso. Após o nascimento, as orientações são de como prevenir doenças bucais no bebê.

Gabriel Ponte de Freitas CamposGraduado em Odontologia (Universidade de Itaúna – 2012); Especialista em Ortodontia (Uningá – 2017); Mestre em Odontologia – Área de concentração: Clínicas Odontológicas (PUC Minas – 2017). Tem experiência em Odontologia, atuando principalmente na área de Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares. Professor titular e, atualmente, Coordenador do curso de graduação em Odontologia da Faculdade Pitágoras – Unidade Betim.

Parto prematuro: saiba como ele pode ser evitado com progesterona

Parto prematuro: saiba como ele pode ser evitado com progesterona

Estudo acadêmico publicado nos Estados Unidos sobre o tema conta com colaboração de médico brasileiro

 

Um artigo acadêmico, publicado pelo American Journal of Obstetrics & Gynecology, em novembro de 2017, demonstrou que a utilização de progesterona vaginal tem efeitos para reduzir o risco de parto prematuro em mulheres com o colo de útero curto. O artigo tem entre seus autores o obstetra brasileiro Eduardo Fonseca, da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, Paraíba.

A prematuridade é uma das principais complicações da gravidez e 15 milhões de bebês nascem antes do tempo, em todo o mundo, anualmente. A progesterona é um hormônio natural produzido pelos ovários, no início da gravidez, e depois pela placenta. O declínio da progesterona é um dos gatilhos do parto e pode implicar em partos prematuros espontâneos, se essa queda ocorrer antes do previsto.

Parto Prematuro

Algumas pesquisas já haviam sido publicadas em 2016. Médicos em todo o mundo investigaram se a administração de progesterona vaginal reduziria a taxa de prematuros. Agora, os médicos e pesquisadores resumiram os resultados de todos os estudos e descobriram que, quando toda a informação disponível é considerada, os efeitos são positivos.

A progesterona vaginal reduz a taxa de parto prematuro a partir da 28a semana, além de reduzir a frequência de complicações neonatais e o número de bebês com peso inferior a 1.500 gramas.

O médico reforça, porém, que a administração do hormônio deve ser realizada somente após a indicação de um obstetra, que também irá determinar a dosagem correta por meio de exames. A ocorrência de colo de útero curto deve ser identificada no exame ultrassonográfico, do segundo trimestre de gestação.

Além de auxiliar na vida e bem estar das mãos e dos bebês, a administração de progesterona para gestantes com colo uterino curto também tem impactos positivos de custo-eficácia no sistema de saúde. Os pesquisadores determinaram uma economia nos gastos públicos de, aproximadamente, U$500 milhões, por ano, somente nos Estado Unidos.

Além do médico brasileiro Eduardo Fonseca, que é Presidente da Comissão de Perinatologia da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, o artigo contou com mais sete pesquisadores, entre eles o autor principal Roberto Romero, Chefe do Departamento de Pesquisa de Perinatologia e diretor da Divisão de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal, NICHD / NIH / DHHS, e o autor sênior Kypros Nicolaides, Professor de Obstetrícia e Ginecologia da Kings College, em Londres, e Diretor da Fetal Medicine Foundation (www.fetalmedicine.com).

Dr. Eduardo Borges da Fonseca*Dr. Eduardo Borges da Fonseca se formou em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, em 1993. Fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo e possui título de especialista pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Ele é pós-doutorado no Harris Birthright Centre for Fetal Medicine, King’s College Hospital, da University of London, com diploma em Medicina Fetal pela Fundação de Medicina Fetal, também de Londres. Eduardo Fonseca é presidente da Comissão de Medicina Fetal da Febrasgo – Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

 

Geração Mãe promove palestras on-line gratuitas

Geração Mãe promove palestras on-line gratuitas

Formar uma família e ter filhos pode ser uma das decisões mais importantes e bonitas na vida de alguém. Mas é também, sem dúvida, a mais difícil e a que exige maior responsabilidade. Ajudar nessa incrível jornada sempre foi o principal objetivo do Geração Mãe, rede de apoio mútuo na internet, de colaboração e troca de experiências entre mães de todo o país. E foi justamente pensando nesse apoio que o grupo organizou o primeiro Encontro On-line, entre 27 de setembro e 4 de outubro, com palestras totalmente gratuitas sobre temas pertinentes à maternidade e à criação dos filhos. Para participar é preciso se inscrever no site encontroonlinegeracaomae.com.br.

O objetivo, segundo a ginecologista e obstetra Flávia Maciel de Aguiar F. Mendonça, idealizadora do projeto Geração Mãe, é a divulgação de informações de qualidade que permitam que as mulheres possam se preparar para fazer escolhas sobre a gestação, o parto e todos os aspectos da maternidade de forma consciente, visando à inclusão de todos os níveis socioculturais. “Nós já realizamos rodas de gestantes, rodas de amamentação e bate-papos sobre criação de forma presencial nas cidades onde temos representantes de nossa equipe. Mas, como nosso grupo é nacional e temos mulheres de todas as regiões do Brasil participando ativamente das discussões nos grupos na internet, estamos organizando o encontro on-line”, explica.

As palestras on-line, que irão oferecer passos, dicas, práticas e técnicas em todas as áreas, da gestação ao pós-parto, serão ministradas por uma equipe de profissionais que atuam na assistência humanizada às gestantes, parturientes e puérperas.

Entre as palestrantes confirmadas estão as ginecologistas e obstetras Melania Amorim, que falará sobre como evitar uma cesárea desnecessária; Bernadette Bousada, que abordará o parto pélvico; e Flávia Junqueira, que vai dará uma palestra sobre sexualidade na gestação. Haverá ainda um bate-papo com doulas sobre as fases do trabalho de parto, os mitos e verdades sobre parto domiciliar e a rede de apoio no pós-parto; além de um debate envolvendo profissionais de saúde sobre atividade física durante a gravidez e ganho de peso nesta fase, além de dicas sobre como organizar o quarto do bebê e de como otimizar o guarda-roupa da mãe durante a gestação. A programação completa das palestras, com dia e horário de cada uma, está disponível no site.

Sobre o Geração Mãe

Idealizado em 2011 pela ginecologista e obstetra Flávia Maciel de Aguiar F. Mendonça e por 16 amigas, todas grávidas na época, o Geração Mãe nasceu batizado como “Gravidinhas e Mãezinhas”, uma rede de apoio mútuo na qual elas poderiam se conectar umas às outras para falar sobre maternidade. Hoje rebatizado e reformulado, o Geração Mãe possui uma página no Facebook, aberta para todas as pessoas que queiram curtir e compartilhar informações referentes ao mundo da maternidade e dos filhos; um grupo fechado na mesma rede, no qual apenas mulheres podem participar e falar abertamente sobre assuntos ligados ao seu universo; e ainda um site, o geracaomae.com.br, considerado o mais completo portal de maternidade da web.

Geração-mãe

O endereço conta com 25 colunistas que escrevem sobre os mais diferentes temas e disponibiliza informações sobre parto, amamentação, criação e educação dos filhos, saúde da mulher e das crianças, paternidade, entre outros importantes assuntos.

Atualmente, o grupo Geração Mãe, em todos os seus canais, é um dos principais veículos brasileiros de informação sobre temas como parto, amamentação e maternidade.

As redes sociais e o site Geração Mãe são acessados por milhares de pessoas de todo o Brasil e dos quatro cantos do mundo. É possível conferir a página no Facebook pelo endereço www.facebook.com/geracaomae e solicitar a autorização para entrar no grupo de mulheres do Geração Mães pelo linkwww.facebook.com/groups/geracaomae/.

*Flávia Maciel de Aguiar F. Mendonça – CRM: 103074 – SP.  Médica formada na UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), com residência em Ginecologia e Obstetrícia no HC- FMRP USP; sub especialista em reprodução humana e videolaparoscopia e histeroscopia. Mestre pela USP em Endometriose. Esposa do Rodrigo, mãe do Rodriguinho e da Bianca. Criadora e diretora do Geração Mãe, um portal sobre maternidade sob a ótica da humanização das relações, desde a gestação, parto e pós-parto, visando a saúde física e emocional do binômio mãe-filho, assim como o estreitamento dos vínculos familiares.

 

Alimentação saudável na gestação: confira dicas

Alimentação saudável na gestação: confira dicas

Especialista revela mitos que envolvem a alimentação na gravidez e ensina como manter um cardápio saudável durante esse período.

Será que comer por dois é realmente indicado? Quanto de peso ganho é aceitável para uma gravidez saudável? Durante a gestação as mulheres tem inúmeras preocupações e dúvidas, principalmente no que diz respeito a alimentação. Muitas vezes, as futuras mamães acabam ouvindo muitos “palpites” já que, nesses momentos, cada pessoa que quer ajudar fala qualquer coisa sendo necessária bastante atenção para o que vai fazer, principalmente quando se trata da alimentação.

A nutricionista, Patrícia Cruz, dá dicas de como cuidar corretamente da alimentação nesse período.“A gestante deve evitar alimentos industrializados ricos em sódio, ricos em gordura e açúcar. Por sua vez, deve aumentar o consumo de frutas e verduras, prestar atenção na ingestão de água e não ficar longos períodos em jejum”, explica a especialista.Patrícia ainda revela que acreditar que a mulher grávida pode comer por dois é um grande erro. “Muitas pessoas acreditam que durante a gestação deve-se comer por dois e/ou que após o parto que não deve controlar a dieta, que caso inicie, pode deixar de amamentar, que o leite ficara fraco. Isso na verdade são grandes mitos envolvendo a alimentação na gravidez”, comenta.

alimentação-para-gestantes

O que comer durante a gravidez?

Em um cardápio ideia para gestantes não pode faltar: alimentos fontes de cálcio – leite, iogurte e queijos para saúde óssea; alimentos fontes de ferro – carne vermelha, aves, leguminosas (feijão, lentilha); e vegetais verdes escuros – espinafre, rúcula, agrião, catalonha, para evitar a anemia,que é muito comum durante esse período.

Além disso, Patrícia também indica as fibras – arroz integral, cereais integrais, pães integrais, para evitar a constipação, que também é comum durante a gravidez, devido à progesterona.

Cada mês é uma fase

É por meio da alimentação da mãe que o bebê recebe os nutrientes necessários para o desenvolvimento de acordo com as semanas da gestação. Patrícia explica, por exemplo, que durante as primeiras semanas de gestação é comum a suplementação de acido fólico, vitamina do complexo B, que e evita a má formação do tubo neural.

A nutricionista conta que em uma dieta restritiva há menos troca de nutrientes materno-fetal, desenvolvimento placentário e fluxo sanguíneo inadequado. Isso, consequentemente, acaba afetando o desenvolvimento fetal.

O que não comer

Nesse período a mulher deve evitar bebida alcoólica, bebida com cafeína (chá preto, chá mate, chá verde, refrigerantes). Segundo Patrícia Cruz, esses alimentos são estimulantes do sistema nervoso do bebê. Além disso, a nutricionista também indica não se alimentarde carnes crus e peixes crus, pois esses alimentos são hospedeiros do parasita da toxoplasmose.

Posso comer por dois?

Abusar da alimentação porque está comendo por dois nem pensar. Oganho de peso excessivo pode levar a hipertensão gestacional e também ao diabetes gestacional, quadros clínicos de risco para a mãe e bebê. “O ganho de peso ao longo da gestação depende sempre do peso pré-gestacional. De modo geral calcula-se 10 a 12 kg. Mas vale lembrar que mesmo iniciando a gestação com o peso acima do recomendado. A perda de peso ou manutenção não e indicada”, explica Patrícia.

Como perder peso depois da gravidez?

A especialista explica que tudo depende do quanto foi ganho durante a gestação e da rotina alimentar da mulher nesse momento. “A perda e ganho de peso sempre depende da educação alimentar. Em minha opiniãoe experiência de consultório não é fácil, por este motivo controlamos o ganho de peso durante a gestação”, ressalta.

Dicas para as gravidas

  • Não coma por dois;
  • Coma a cada 3 horas;
  • Caso tenha azia não coma para aliviar, beba água bem gelada com gotas de limão ao longo do dia;
  • Use o polivitamínico prescrito por seu obstetra e/ou nutricionista ao longo da gestação e também por 1 ou 2 meses após o parto.
Infográfico Direção na Gravidez: veja os cuidados que devem ser tomados

Infográfico Direção na Gravidez: veja os cuidados que devem ser tomados

Muitas dúvidas surgem quando o assunto é direção na gravidez. No antigo Código Brasileiro de Trânsito era recomendada a direção veicular até o quinto mês de gravidez, mas hoje não existe nenhuma restrição.Dirigir na gravidez não é proibido, desde que a gestante se sinta confortável e segura para esta atividade. A maioria dos médicos não proíbe que as grávidas dirijam, entretanto, precisam entender que há riscos e que alguns cuidados devem ser redobrados durante a gestação – principalmente nos últimos três meses.

Cinto de segurança, espaçamento da poltrona e o cuidado na velocidade são itens muito importantes para mamães que dirigem durante a gravidez. O cinto de 3 pontos é o mais indicado para essa fase; se o veículo possuir airbag, afaste o banco o máximo possível pois, com a barriga muito próxima ao volante, freadas bruscas e batidas podem levar ao deslocamento da placenta e ao parto prematuro.

Pelo cuidado necessário durante a gestação e por todas as dúvidas, a Ituran Rastreadores preparou um infográfico com algumas curiosidades, dicas e precauções sobre dirigir grávida. Além disso, são apresentadas informações sobre a cadeirinha e o bebê conforto, itens obrigatórios que diminuem o risco de morte infantil no trânsito e a probabilidade de acidentes.
Infografico - Direção na Gravidez

Sobre a Ituran

Com atuação no Brasil desde 2000, a Ituran Rastreadores (ituran.com.br) é uma das principais empresas no mercado de monitoramento de veículos. Oferece proteção para carros, motos, frotas de ônibus e caminhões com qualidade e competência, com tecnologia avançada de rastreamento. Quando se trata da recuperação de veículos roubados ou furtados, a empresa é um ícone de eficiência, pois se preocupa recuperar o veículo no menor tempo possível e fornecer o suporte necessário para o cliente.

*Publieditorial

Gestação: veja quais são os principais incômodos no verão

Gestação: veja quais são os principais incômodos no verão

As altas temperaturas do verão costumam causar incômodos para a maioria das pessoas, mas para as grávidas o calor do verão é um tormento, principalmente quando elas já estão com aquele barrigão dos meses finais de gravidez.

O ginecologista e obstetra Claudio Basbaum, membro do Corpo Clínico do Hospital São Luiz em São Paulo, destaca que a elevação na quantidade de hormônios no organismo da gestante promove a dilatação dos vasos, tanto arteriais quanto venosos, predispondo ao aparecimento ou piora das varizes nos membros inferiores, alterações que contribuem para o inchaço nos pés e nas pernas , assim como para a queda de pressão arterial, tão comuns nos meses de verão e sobretudo na segunda metade da gestação.

Um outro cuidado importante é com relação a higiene íntima da mulher já que há um aumento na transpiração que propicia um ambiente favorável para o surgimento de assaduras e  para o crescimento de fungos e bactérias.  “O recomendado é que sejam utilizados apenas água e sabonetes neutros na higiene genital externa”, completa o especialista.

incômodos-gravidas-verão

Dicas para diminuir o mal-estar e alguns cuidados:

  • Evitar exposição ao sol entre 10 e 16 horas. Além dos já conhecidos riscos causados sobre a pele , a gestante tem muita facilidade de ficar com manchas escuras no rosto e sobre eventuais cicatrizes antigas (Cloasma gravídico);
  • Usar o protetor solar diariamente;
  • Comer alimentos mais leves como frutas e saladas;
  •  Hidratar-se bem. Consumir ao menos 2 litros de água por dia;
  • Utilizar roupas com tecidos leves, evitando os sintéticos e roupas justas;
  • Trocar a  calcinha pelo menos uma vez por dia e dormir sem calcinha é uma boa norma;
  • Lavar e enxaguar bem as roupas íntimas, sem deixar resíduos de sabão. Seca-las ao sol e não dentro do box do chuveiro , onde a umidade facilita a proliferação de fungos;
  • Não permanecer por muito tempo com maiô molhado;
  • Tomar banhos mornos ou frios durante o período, pois refrescam e dão maior bem estar.

 

Cláudio-Basbaum-Ginecologista*Cláudio Basbaum é médico com especialização na Universidade de Paris-França. Professor-Doutor em Ginecologia e Obstetrícia, pioneiro da laparoscopia no Brasil (1967), Introdutor do Parto Leboyer (“Nascimento sem violência”) e da técnica “Shantala” (Massagem para bebês) no Brasil e defensor de técnicas menos agressivas à mulher e ao bebê. Membro do Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz em São Paulo. O ginecologista tem 51 anos de profissão, defende a população feminina de cirurgias mutiladoras desnecessárias há 18 anos, através da campanha “Mulheres, Salvem seus Úteros!”. (www.claudiobasbaum.med.br) É pioneiro e introdutor no Brasil de diversas técnicas avançadas em medicina como a laparoscopia (1967), videocirurgia – (videolaparoscopia e videohisteroscopia)- 1988 e a embolização para eliminação dos miomas uterinos, desde o ano 2000, procedimentos mini-invasivos de máxima eficácia terapêutica e com um mínimo de trauma e rápida recuperação.