Setembro Amarelo: especialista explica os sintomas e como tratar a depressão e ansiedade

Setembro Amarelo: especialista explica os sintomas e como tratar a depressão e ansiedade

Desde 2014, é realizado no Brasil o Setembro Amarelo – campanha de combate à depressão. De acordo com os últimos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão afeta 322 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, cerca de 6% da população sofre com esse mal, sendo o país com maior prevalência de depressão da América Latina. Ainda, os brasileiros também são recordistas mundiais quanto aos transtornos de ansiedade, com 9,3% afetados pela doença. “A ansiedade e a depressão são quadros emocionais que podem estar correlacionados”, explica a psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde, Aline Melo.

Conforme a especialista, a depressão se caracteriza por uma tristeza duradoura, que pode vir acompanhada de desanimo e autoestima baixa, falta de energia, entre outros sintomas. Já a ansiedade está associada a uma sensação de medo ou angustia constante sobre o futuro. “Essa sensação é considerada patológica quando começa a atrapalhar a rotina do indivíduo”, comenta Aline.

Se a ansiedade não for tratada, há grande probabilidade de, além de gerar desgaste emocional recorrente, ser gatilho para o desenvolvimento de outras doenças, até mesmo levando à depressão. “A ansiedade pode estar associada a compulsões, pânico, comportamentos obsessivos, entre outros aspectos. Por isso a necessidade de reconhecê-la, compreende-la e trata-la de maneira adequada”, alerta a profissional.

Quanto aos fatores mais comuns que podem desencadear uma depressão ou ansiedade estão as condições genéticas, disfunções físicas, além de traumas, estresse e perdas. Também o uso de álcool e drogas contribui para o aparecimento de tal patologia. “Para tratar as doenças é preciso de um cuidado especializado, sendo de grande importância a avaliação de um médico psiquiatra e de um psicólogo, visando o direcionamento adequado a cada caso. O uso de medicações e psicoterapia podem ser necessários”, esclarece a psicóloga.

A especialista ainda adverte que vivemos um período de muitas cobranças e pressões em várias áreas de nossas vidas – profissional, familiar e pessoal – que reforçam nosso desejo de antever e nos preparar para situações futuras, o que associadas a uma grande carga de estresse, fatores físicos e predisposições genéticas geram uma maior vulnerabilidade ao desenvolvimento de transtornos emocionais. “As cobranças e crises do mundo de hoje afetam nossa saúde mental, demonstrando cada vez mais a necessidade de voltarmos nosso olhar para dentro”, finaliza.

Aline Melo Psicóloga*Aline Melo é psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde.

Piercings e Tatuagens: veja como cuidar corretamente

Piercings e Tatuagens: veja como cuidar corretamente

Conheça as principais precauções para manter o organismo saudável, antes e depois da ornamentação da pele

Foi nas décadas de 1960 e 1970, com o movimento pacifista dos hippies, da indústria pop e da cultura punk, que piercings e tatuagens começaram a conquistar adeptos, principalmente entre artistas e pessoas que buscavam expressas suas ideias, muitas delas de protesto social. Naquela época, a ação era vista com certo preconceito pela sociedade, que a associava à criminalidade. Somente a partir dos anos 1990, com o surgimento da primeira loja de tatuagem no Rio, é que a profissão do tatuador foi reconhecida e passou a atrair mais pessoas.

Hoje, piercings e tatuagens se popularizaram entre indivíduos de todas as idades, sexos e classes sociais. Eles deixaram de ser unicamente uma forma de expressão e ganharam status de item fashion. Apesar de ainda não haver um censo sobre quantas pessoas têm tatuagens e piercings no Brasil, um estudo do Sebrae aponta um crescimento de 24,1% no número de estabelecimentos do setor entre 2016 e 2017, indicando uma boa procura pelo serviço.

Cuidados com piercings e tattos

Dicas para pré e pós

Antes de fazer uma tattoo ou colocar um ornamento, no entanto, é preciso tomar algumas precauções. Observar se o estúdio segue as orientações de funcionamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com a correta esterilização e descarte dos instrumentos, é a primeira delas. Não menos importantes são os cuidados pessoais que devem ser seguidos para garantir a própria saúde.

O dermatologista Paulo Roberto Antônio Júnior explica que entre as complicações mais comuns está a ocorrência de infecções secundárias. “É imprescindível manter o local extremamente limpo e usar cremes cicatrizantes adequados. No caso dos piercings, eles são contraindicados para pessoas com predisposição para queloides e problemas de cicatrização. Além disso, o material tem que ser cirúrgico”, esclarece.

Ele alerta ainda para as partes do corpo onde serão feitas as aplicações. “É importante avaliar o tipo de pele e pensar que as áreas mudam muito com o nosso envelhecimento. Dobras, regiões intimas, nariz e língua são mais propensos a infecções, porque são locais úmidos e têm uma quantidade maior de bactérias”, finaliza.

*Dermatologista Paulo Roberto Antônio Júnior 

Prevenção no 8 de maio: dia mundial do câncer de ovário

Prevenção no 8 de maio: dia mundial do câncer de ovário

O dia 8 de maio foi escolhido como o Dia Mundial do Câncer de Ovário para alertar as mulheres sobre sintomas, tratamento e prevenção. Segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA), para o ano de 2018, são esperados 6.150 novos casos de câncer de ovário. Esse número corresponde a 3% do total de neoplasias estimadas em mulheres.

Considerado o mais grave câncer ginecológico, a doença tem maior incidência após os 50 anos de idade e o diagnóstico precoce ainda permanece um desafio. Os sintomas são vagos e mal definidos e, ainda na fase inicial, podem não se mostrar presentes.

“A suspeita de neoplasia de ovário se dá com o inchaço abdominal contínuo, sem melhora, a perda de apetite, dor na região pélvica e o aumento na necessidade de urinar”, explica a Dra. Daniela Amaral, oncologista do Grupo CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão.

“Alguns exames, como ultrassonografia transvaginal e a dosagem de CA 125 no sangue, são muito solicitados pelos médicos em busca do diagnóstico precoce da doença, mas não se mostraram eficazes como método de rastreio”. Segundo a médica, esses exames não reduziram as estatísticas de mortalidade, mesmo realizados anualmente em mulheres sem sintomas e sem histórico familiar. “A ultrassonografia pélvica ou transvaginal se mostrou útil apenas para diagnosticar a doença já existente e, na maioria das vezes, já avançada”, completa a Dra. Daniela.

É importante destacar que toda paciente com alguma massa suspeita deve ser submetida a uma abordagem cirúrgica, realizada por um cirurgião oncológico experiente. A partir daí, será estabelecido o diagnóstico definitivo, a extensão da doença e o tratamento.

Reconhecer os primeiros sinais da doença pode levar a um diagnóstico em fase inicial, aumentando bastante a probabilidade de sobrevivência. Alguns fatores de risco também estão associados ao câncer de ovário, como histórico familiar e reposição hormonal na menopausa, entre outros. “Identificar de maneira precoce o câncer de ovário é um grande desafio para os médicos. É muito importante que a paciente faça o acompanhamento regular com o ginecologista”, sinaliza a Dra. Vale ressaltar ainda que o exame Papanicolau não detecta o câncer de ovário, já que é específico para detectar o câncer do colo do útero.

 

Dra. Daniela Amaral, oncologista Dra. Daniela Amaral é oncologista do Grupo CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão.

Tecnologia na saúde em Minas: Hospital Felício Rocho realiza a 100ª cirurgia robótica

Tecnologia na saúde em Minas: Hospital Felício Rocho realiza a 100ª cirurgia robótica

Em abril, o Hospital Felício Rocho comemora a realização de sua 100ª cirurgia robótica. Com o uso do robô intitulado Da Vinci, o hospital vem aplicando a técnica cirúrgica desde dezembro do ano passado nas áreas de cirurgia geral, cardíaca, ginecológica, urológica, oncológica e torácica.

Sendo indicada, principalmente, para o tratamento do câncer, o robô cirurgião permite com maior precisão, a visualização de uma imagem de alta definição, magnificada e em três dimensões (3D) do local a ser tratado. Ao fazer uso de pinças articuladas, o robô guiado pelo médico, realiza uma dissecção cautelosa e minuciosa dos tecidos, sendo minimizada a ocorrência de hemorragias e, também potencializa a recuperação do paciente após o procedimento.

Menos invasiva e mais concisa, a cirurgia robótica contribui para a maior ergonomia e redução de tremores por parte de médicos cirurgiões; redução do tempo de hospitalização; diminuição do tempo de retorno às atividades cotidianas; redução da dor e de possíveis complicações no período pós-operatório; menor risco de infecção hospitalar, e redução na dose de medicamentos no pós-operatório.

Cirurgia Robótica

O urologista, Pedro Romanelli, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU-MG), atua como proctor há cerca de seis meses em cirurgias robóticas na Clínica de Urologia do Hospital Felício Rocho. Ele explica que para a obtenção da certificação do Sistema Da Vinci de Cirurgia Robótica, os médicos devem participar de treinamento específico na área e após esta etapa, o profissional é autorizado a realizar suas primeiras cirurgias, mas com a preceptoração e a orientação do chamado ‘proctor’, que é um médico instrutor.

Segundo Pedro Romanelli, a grande revolução da cirurgia robótica ocorre na área de aprendizado médico, pois com a introdução de dispositivos digitais que oferecem imagens tridimensionais de um órgão em operação, é possível que um médico esteja presente na sala de cirurgia e receba orientações em tempo real de um outro profissional a longa distância. “Na prática, é mais confortável aos pacientes contar com a presença física de todos os médicos que irão realizar suas cirurgias, assim se mantém preservada a relação de confiança existente entre os médicos e seus pacientes, mas já aconteceu de uma cirurgia acontecer nos EUA e um dos cirurgiões operar direto da França. A cirurgia robótica permite esse tipo de atuação médica”, explica.

Romanelli afirma que algumas pessoas acreditam que o robô cirurgião opera de forma independente, assim se torna imprescindível esclarecer que isso não acontece, pois, o dispositivo depende inteiramente dos comandos e experiência do médico que o opera.  “ Se o cirurgião realizar um movimento errado, o robô também errará. Os robôs cirurgiões não realizam cirurgias de maneira autônoma, eles somente facilitam a prática dos movimentos durante a cirurgia”, aponta.

Desde 1998 a cirurgia robótica vem sendo utilizada nos Estados Unidos e chegou ao Brasil em 2008. Com cerca de 31 unidades, o robô cirúrgico é utilizado em procedimentos de alta complexidade em dez estados brasileiros e se estima que em 2018 sejam realizados oito mil procedimentos em nosso país. Diante aos benefícios da tecnologia robótica, o Hospital Felício Rocho projeta um crescimento exponencial no número de cirurgias robóticas, com a previsão de realizar mais de 250 cirurgias em 2018.

O diretor e urologista do Hospital Felício Rocho, Francisco Guerra, afirma que a cirurgia robótica é um caminho sem volta. “O impacto na evolução das vias de acesso para tratamentos cirúrgicos (cirurgia aberta, laparoscopia e agora a robótica) é contundente para os cirurgiões. No entanto, o melhor de tudo isso, é o que visualizamos e vislumbramos para os pacientes em relação aos resultados e melhoria da qualidade de vida”, conclui.

Páscoa: nutricionista explica os benefícios do chocolate

Páscoa: nutricionista explica os benefícios do chocolate

O chocolate é feito à base de amêndoa fermentada e torrada de cacau, mas também contém açúcar e gordura. Não há estudos que relacionam o chocolate ao surgimento de doenças como o câncer. E a boa noticia a respeito é que algumas substâncias presentes no cacau, como os flavonóides (que são antioxidantes e anti-inflamatórias), possuem a comprovação de uma relação positiva na prevenção de doenças cardiovasculares  e controle do colesterol.

 O consumo do cacau também influencia a liberação da serotonina, que contribui para a melhora do humor e traz sensação de bem estar e relaxamento. Segundo a nutricionista, Verônica Pessoa, do Grupo CON, quanto mais amargo for o chocolate, mais cacau presente, menos açúcar e, com isso, maiores seus benefícios. “Mas não quer dizer que temos que comer exageradamente o chocolate ”, ressalta.

Benefícios do Chocoolate

 Vale lembrar que o chocolate branco não é verdadeiramente um chocolate, pois não tem cacau, só gordura e açúcar e que o chocolate diet tem menos açúcar, mas provavelmente possui mais gordura para manter sua consistência. Não se pode relacionar diretamente o chocolate a prevenção do câncer, mas seu excesso leva ao aumento de gordura e açúcar, e com isso aumento de calorias, o que provavelmente levará ao excesso de peso. Esses fatores associados ao sedentarismo e hábitos alimentares ruins, pode predispor o organismo a desenvolver algum tumor.

 “Recomenda-se o consumo moderado e orientado por um(a) nutricionista, em conjunto com uma alimentação saudável. Quanto a quantidades, uma barrinha de 20 a 70g do chocolate amargo (pelo menos 70% de cacau)”, explica a nutricionista. Para pessoas em tratamento para o câncer não é muito recomendado seu consumo, uma vez que tem a presença de gordura (que pode aumentar as chances de náuseas) e de açúcar (que aumentam as calorias da dieta e não é recomendada aos diabéticos).

 “Mas a melhor recomendação para se obter esses compostos antioxidantes que ajudam a prevenir algumas doenças é uma alimentação saudável, rica também em frutas e vegetais”, finaliza Verônica.  

 

Veronica Pessoa Nutricionista*Verônica Pessoa, nutricionista responsável pelo Grupo CON

Dia das mulheres: elas podem tudo, menos descuidar da saúde

Dia das mulheres: elas podem tudo, menos descuidar da saúde

Em 8 de março é comemorado internacionalmente o Dia da Mulher. Nunca se ouviu tanto falar do empoderamento feminino, afinal, elas são livres para escolher o que querem fazer, como se comportar, como amar entre tantos outros estigmas que vem sendo superados a cada dia.

As mulheres podem tudo. Mas não podem se descuidar da saúde. Por isso, o Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia formado por médicos oncologistas com sua campanha permanente Lugar de Mulher é Onde Ela Quiser aproveita a data para enfatizar sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama e a importância da realização de exames de imagens. Descobrir o câncer de mama no estágio inicial garante chances de cura muito perto de 100%. Quem vai esclarecer sobre as diferenças entre mamografia, ultrassom e ressonância magnética é o oncologista Rafael Luiz. Confira:

Dia Mundial das Mulheres

Mamografia

É chamado de rastreamento o exame feito para detectar o câncer quando ele ainda está na sua fase inicial, sem nenhum sinal ou sintoma aparente. A detecção via mamografia é conhecida por reduzir em mais de 30% a mortalidade pelo câncer. De forma geral, para a maioria das mulheres, esse exame é indicado a partir dos 50 até os 75 anos e deve ser feita anualmente ou a cada dois anos. Entre 40 e 50 e após 75 anos, a questão ainda é duvidosa e muitas vezes dependem de uma avaliação bem feita com o médico.

Para algumas mulheres, porém, a realização do exame pode ser ainda mais importante, até mesmo para as mais jovens que têm o maior risco de desenvolver câncer de mama. Para saber se há risco maior, os médicos usam alguns critérios que dependem, principalmente da história de tumores na família. O principal motivo é a mutação em um gene chamado BRCA (aquele bastante divulgado pela atriz Angelina Jolie), que ocorre em algumas famílias e, geralmente, com várias parentes afetadas. Quando este gene está alterado, a mulher tem indicação de começar mais cedo a fazer exames para rastrear o câncer (geralmente antes dos 35 anos) e também a utilizar outros métodos.

Ultrassom

O ultrassom é um exame mais demorado e depende muito da habilidade do médico que está fazendo. Ele é utilizado, geralmente, para mamas mais densas, ou seja, com menos gordura e mais glândulas, pois a mamografia é menos eficaz nesses casos. Na maioria das vezes, mulheres mais jovens são as que têm maior densidade mamária. O ultrassom também é muito utilizado quando se acha uma alteração na mamografia ou detecta-se um nódulo palpável. Nesse caso, o ultrassom ajuda a ver o tamanho e a extensão do tumor, além de avaliar os gânglios na axila, auxiliando na definição do tratamento a ser feito.

Ressonância magnética

Já a ressonância é um exame de custo alto, mais difícil e demorado, com contraindicações (objetos metálicos no corpo, por exemplo) e que, portanto, é reservado para rastrear mulheres de risco mais alto. Em casos especiais, o exame pode ser feito em alternância com uma mamografia. Adicionalmente, a ressonância também ajuda a detectar tumores ocultos e a caracterizar melhor a mama de uma mulher com um câncer já diagnosticado, a fim de programar a cirurgia e avaliar se há outros focos do tumor.

* Rafael Luiz é graduado em medicina pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) com residência em clínica médica e oncologia também pela Unicamp.  Como membro do Grupo SOnHe atua nos hospitais Vera Cruz e Santa Tereza e no Instituto do Radium, em Campinas, SP.

Dia Mundial de Combate ao Câncer: diagnóstico precoce pode levar à cura

Dia Mundial de Combate ao Câncer: diagnóstico precoce pode levar à cura

Novos tratamentos e equipamentos para detecção da doença aumentam sobrevida dos pacientes 

O Dia Mundial de Combate ao Câncer, celebrado em 4 de fevereiro, tem por objetivo conscientizar a população sobre os vários tipos de câncer, seus fatores de risco e a importância do diagnóstico precoce, considerado um dos caminhos para a cura. No Brasil, a cada ano, são registrados, em média, 590 mil novos casos da doença, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA). A boa notícia é que, nos últimos anos, os tratamentos estão sendo mais eficientes. Além da prevenção e do diagnóstico precoce, há avanços também no tratamento. Como resultado, as chances de cura vêm crescendo nos últimos anos. De acordo com o oncologista Dr. Rodrigo Munhoz, do Hospital Sírio-Libanês, “estudos feitos no Reino Unido mostram que as chances de cura do câncer aumentaram de forma importante nos últimos 40 anos”. Ele completa: “Nos EUA, a mortalidade por câncer caiu mais de 10% somente na última década”.

As chances de cura, porém, não são uniformes – elas dependem do tipo de câncer, do momento do diagnóstico e do tratamento aplicado, alerta o médico. Elas são maiores em fases iniciais da doença e quando o tratamento é realizado de forma adequada e oportuna. Daí a importância dos avanços na prevenção. Iniciativas que buscam a conscientização e mudança de comportamento, como políticas antitabagismo e campanhas de cuidado com a exposição à luz solar, são muito bem-vindas. Da mesma forma, a incorporação de vacinação contra o HPV é uma medida fundamental na luta contra um câncer de colo uterino e que pode ter também um impacto na redução de outros tipos de tumor.

Dia Mundial de Combate ao Câncer

Entretanto, ainda que o diagnóstico seja feito em fases mais avançadas, novos tratamentos vêm mudando o dia a dia de médicos e pacientes. Um exemplo disso é a incorporação da imunoterapia: uma forma de tratamento que sofreu grandes melhorias nos últimos anos e agora representa uma nova arma contra diversos tipos de tumores, incluindo melanoma, pulmão e renal.

No caso específico do melanoma, esses avanços se traduziram não somente em melhores resultados e controle, como também em mais qualidade de vida. “Tanto com o uso da imunoterapia quanto com a terapia-alvo, as chances de os pacientes estarem vivos após mais de 5 anos vem aumentando progressivamente e, muitas vezes, com efeitos colaterais mais brandos do que aqueles que antes víamos com a quimioterapia”, explica o médico.

PET/CT Digital: avanço diagnóstico

A forma de avaliar e detectar o câncer também vem sofrendo modificações. O PET/CT Digital, por exemplo, disponível no Hospital Sírio-Libanês, pioneiro em oferecer este equipamento na América Latina, é um forte aliado para a descoberta de tumores malignos, além de auxiliar na detecção de doenças neurológicas, como Alzheimer. “Esse equipamento é uma grande evolução no uso do PET/CT como ferramenta de diagnóstico”, diz Carlos Buchpiguel, coordenador médico da Medicina Nuclear do Hospital Sírio-Libanês. Este aparelho faz uso da tecnologia de diagnóstico por imagem molecular. Essa modalidade, relativamente nova na área de saúde, envolve uma série de reações entre os elementos de imagem e moléculas-alvo, como enzimas, que quando presentes permitem o diagnóstico mais preciso e, muitas vezes, precoce. Essa conquista faz parte da busca pela inovação constante do Sírio-Libanês, contribuindo para aprimorar o sistema médico-hospitalar e a oferta de assistência à saúde.

Sobre o Sírio-Libanês

A Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês, instituição filantrópica fundada em 1921, trabalha diariamente para oferecer uma assistência médico-hospitalar de excelência, sempre com um olhar humanizado e individualizado, em mais de 60 especialidades. Em uma busca constante, o hospital desenvolve atividades de ensino, integradas ao trabalho de compromisso social. Com o olhar sempre voltado para a tecnologia e inovação na atenção à saúde, o Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa promove estudos e compartilha conhecimento. Por meio de uma parceria com o Ministério da Saúde, desenvolve programas de apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS) e contribui para a disseminação de conhecimento e boas práticas para mais de 8 mil gestores de saúde em todo o país, como parte do Programa de Apoio e Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS). A instituição também é responsável pela gestão de cinco unidades públicas estaduais e municipais de saúde como parte do trabalho do Sírio-Libanês Responsabilidade Social, além de manter um ambulatório filantrópico para atendimento a pacientes com câncer de mama em São Paulo.

Dr. Rodrigo Munhoz*Dr. Rodrigo Munhoz é Médico Oncologista do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês.

Parto prematuro: saiba como ele pode ser evitado com progesterona

Parto prematuro: saiba como ele pode ser evitado com progesterona

Estudo acadêmico publicado nos Estados Unidos sobre o tema conta com colaboração de médico brasileiro

 

Um artigo acadêmico, publicado pelo American Journal of Obstetrics & Gynecology, em novembro de 2017, demonstrou que a utilização de progesterona vaginal tem efeitos para reduzir o risco de parto prematuro em mulheres com o colo de útero curto. O artigo tem entre seus autores o obstetra brasileiro Eduardo Fonseca, da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa, Paraíba.

A prematuridade é uma das principais complicações da gravidez e 15 milhões de bebês nascem antes do tempo, em todo o mundo, anualmente. A progesterona é um hormônio natural produzido pelos ovários, no início da gravidez, e depois pela placenta. O declínio da progesterona é um dos gatilhos do parto e pode implicar em partos prematuros espontâneos, se essa queda ocorrer antes do previsto.

Parto Prematuro

Algumas pesquisas já haviam sido publicadas em 2016. Médicos em todo o mundo investigaram se a administração de progesterona vaginal reduziria a taxa de prematuros. Agora, os médicos e pesquisadores resumiram os resultados de todos os estudos e descobriram que, quando toda a informação disponível é considerada, os efeitos são positivos.

A progesterona vaginal reduz a taxa de parto prematuro a partir da 28a semana, além de reduzir a frequência de complicações neonatais e o número de bebês com peso inferior a 1.500 gramas.

O médico reforça, porém, que a administração do hormônio deve ser realizada somente após a indicação de um obstetra, que também irá determinar a dosagem correta por meio de exames. A ocorrência de colo de útero curto deve ser identificada no exame ultrassonográfico, do segundo trimestre de gestação.

Além de auxiliar na vida e bem estar das mãos e dos bebês, a administração de progesterona para gestantes com colo uterino curto também tem impactos positivos de custo-eficácia no sistema de saúde. Os pesquisadores determinaram uma economia nos gastos públicos de, aproximadamente, U$500 milhões, por ano, somente nos Estado Unidos.

Além do médico brasileiro Eduardo Fonseca, que é Presidente da Comissão de Perinatologia da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, o artigo contou com mais sete pesquisadores, entre eles o autor principal Roberto Romero, Chefe do Departamento de Pesquisa de Perinatologia e diretor da Divisão de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal, NICHD / NIH / DHHS, e o autor sênior Kypros Nicolaides, Professor de Obstetrícia e Ginecologia da Kings College, em Londres, e Diretor da Fetal Medicine Foundation (www.fetalmedicine.com).

Dr. Eduardo Borges da Fonseca*Dr. Eduardo Borges da Fonseca se formou em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, em 1993. Fez residência médica em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo e possui título de especialista pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Ele é pós-doutorado no Harris Birthright Centre for Fetal Medicine, King’s College Hospital, da University of London, com diploma em Medicina Fetal pela Fundação de Medicina Fetal, também de Londres. Eduardo Fonseca é presidente da Comissão de Medicina Fetal da Febrasgo – Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.